Publicado em 30/07/2020 

Árvore que dá frutos

Aqui, em Imperatriz, a regra era ser prefeito e se encher de processos.


Aqui, a regra é ser prefeito e se encher de processos.

Quando você não faz por onde tomar esses processos, parece que é uma ofensa para quem acha que tem a função de te colocar processos nas costas.

Numa cidade que precisa tanto do trabalho dos políticos eleitos, alguns vereadores estão há quatro meses falando que eu paguei por notas frias.

Falam isso há quatro meses.

E cadê uma só dessas notas frias?!

Gente, tudo o que a Prefeitura recebe e gasta, está no Portal da Transparência, centavo por centavo.

Conversa!!! Tem nota fria NENHUMA! Tem é mais de trinta cirurgias por dia; todas as especialidades que salvam vidas dentro do Socorrão; mais de 20 mil exames por mês, centro cirúrgico com sete unidades de alta tecnologia que operaram simultaneamente.

SABEM O QUE MAIS: o menor índice de mortalidade do País em hospitais públicos. Só, 1,2 por cento no mês passado. No Brasil, passa dos quatro e meio por cento.

O que não tem mais é fila de espera.

Se não bastasse, uma promotora de Justiça abre denúncia contra mim, acusando-me de prática de nepotismo.

Ela mesma diz, por duas vezes, que não cometi o crime, que tudo que eu fiz está amparado pelo Supremo Tribunal Federal. Mas, inexplicavelmente, decidiu me denunciar.

No dia seguinte, ela chama a imprensa para dizer que eu contrariei a lei comprando álcool em gel com dispensa de licitação, por preço acima do valor de mercado. Só que ela esqueceu de ver que o Ministério Público do Maranhão, do qual ela faz parte e pelo qual eu tenho o maior respeito, comprou o mesmo álcool, pelo mesmo preço que eu comprei e pela mesma dispensa de licitação que eu fiz.

E aí?

Prestem atenção: é ano eleitoral.

Não deveria, mas, infelizmente, faz parte desse jogo.

Já são mais de quinhentas obras e serviços em menos de três anos e meio. Não se atira pedra em árvore que não dá frutos.